Plataformas

Outras Mídias

The Classics Games. Criado por Maxwel Gamer.. Tecnologia do Blogger.

Seguidores

17 de jul de 2015
 (Um jogo que agrada pela simplicidade)

História: O jogo é baseado na 9ª temporada de Power Rangers, chamada Força do Tempo. No ano 3000, o vilão Ransik foge da prisão. Durante a fuga ele mata o ranger vermelho, e para escapar do resto dos rangers, ele foge numa máquina do tempo para o ano de 2001. O resto dos rangers seguem Ransik até 2001, mas eles terão que viajar durante o passado enfrentando os lacaios de Ransik.





(Os rangers do jogo)

Gráficos: O jogo foi lançado no mesmo ano de lançamento do GBA, o que significa que ele não tem os gráficos mais impressionantes do portátil. Os sprites dos rangers e dos inimigos são legais, sendo pré renderizados assim como o Spider-Man: Misterio's Menace da mesma produtora, mas que pecam pela falta de fluidez. Os cenários são bem detalhados e variados por causa do tema de viagem no tempo, com cada fase contando com uma arte e inimigos únicos, mesmo que as fases contenham uma arte estática no fundo. O jogo possui cutscenes durante as fases, mas essas cutscenes são apenas imagens estáticas com um texto na parte inferior.


(O prólogo do jogo, que se passa em 3000)

Som: A parte sonora do jogo funciona bem, mas que não impressiona muito. As músicas do jogo combinam com a maioria das fases, e elas possuem um tom sombrio e de urgência, que me lembra muito a série Mortal Kombat. A melhor parte sonora do jogo é a intro, que é o tema da temporada em versão midi, mas que contém algumas partes cantadas. Os efeitos sonoros do jogo são bem fracos, e ficam ainda piores pela repetição exaustiva dos mesmos durante todo o curto tempo de jogatina. 


(Silver Hills, o "lobby" do jogo)

Jogabilidade: O jogo funciona como a maioria dos jogos de ação/aventura e plataforma 2D das gerações 16 e 18 bits, com comandos para atacar e pular. É possível jogar com os 6 rangers, sendo que o Quantum Ranger só é jogável quando você consegue o morfador dele durante a fase, com ele funcionando como uma espécie de especial durante elas. Apertando o Select é possível escolher qual ranger você quer jogar, e mesmo que nessa tela amostre que eles são diferentes entre si (um tem mais life, outro possui mais poder de ataque, etc), essas diferenças são imperceptíveis durante o gameplay, com os rangers funcionando mais como vidas do que como personagens diferentes. O jogo usa o tema de viagem no tempo para ter uma variedade bem grande entre as fases, com elas se passando em épocas como a Roma antiga, o velho oeste e o Egito antigo. É possível encontrar as espadas e os canhões dos rangers, que ao serem usadas gastam "magia" dos personagens, mas que ajudam bastante no combate contra os inimigos. No final de cada fase você enfrenta o boss, e ao derrotá-lo, ele se fica gigante e você controla o megazord. As batalhas que você usa o megazord são bem simples e fáceis, com você tendo que golpear o monstro gigante até a barra de "magia" encher e você finalizar o monstro. Para você entrar nas fases você precisa andar por Silver Hills, mas você tem que tomar cuidado, pois existem inimigos dentro desse "lobby".




Nome do jogo: Power Rangers: Time Force
Plataforma: PS1, GBA, GBC
Gênero: Ação/Aventura, Plataforma
Desenvolvedora: Vicarious Vision (GBA), Natsume (GBC), Climax Studios (PS1)
Distribuidora: THQ
Ano do Lançamento: 2001

Notas:

Gráficos: 7
Sons: 7
Jogabilidade: 7
Diversão: 7
NOTA FINAL: 7

Conclusão: Um jogo curto e funcional, mas que poderia ser menos genérico. Pra quem quer um jogo para passar o tempo e está sem opção, Time Force é uma boa recomendação.

Prós
Boa variedade de fases
Jogabilidade funciona
A intro do jogo
Músicas bacanas
Tem uma dificuldade interessante

Contra
Efeitos sonoros repetitivos
Personagens tem uma falsa diferença
Poderia ser menos genérico

Comente se você gostou da análise, se já jogou o jogo ou se tem alguma sugestão para o blog.

1 comentários:

Lucas disse...

Da hora.

Parceiros