Plataformas

Outras Mídias

The Classics Games. Criado por Maxwel Gamer.. Tecnologia do Blogger.

Seguidores

1 de jan de 2013
(Difícil, divertido, bem feito e bonito; do jeito que um Shoot em Up deve ser)

Obs: Primeiro post de 2013 !!!!!! Houve uma mudança de última hora, e ao invés de eu postar o Clássicos Obscuros dos Arcades - Parte 3 como o 1° post do ano, tive que mudar para essa análise bem rápida pois eu não consegui completar a lista dos Clássicos Obscuros dos Arcades.

História: Num futuro distante, os governos humanos em todo o planeta Terra, construram um supercomputador chamado "Con-Human". O objectivo deste computador é governar sistemas ambientais do planeta, verificando nutrientes adequados e os cuidados que são prestados para garantir a cultura de seres humanos e animais parecidos. No entanto, o desastre acontece quando após a mente de um ser humano clonado está ligado com o sistema, Con-Human torna-se consciente e insano. Ele começa a induzir calamidades em todo o planeta, construindo clones corruptos de organismos existentes, destruindo seus mestres humanos e exterminando a natureza que se destinava a proteger, aparentemente com a intenção de substituir com os Con-Human considerados versões melhoradas de si mesmos. Após uma prolongada guerra, Con-Human conseguiu exterminar 99,8% da humanidade, com os restos fugindo para colônias espaciais. Os Con-Human pretendem usar a Terra transformada para procurar e destruir as colônias, apagando todos os vestígios remanescentes da velha vida do universo, deixando apenas a vida nova que eles, pessoalmente, haviam criado. Agora, tomando a ofensiva em larga escala, a humanidade desenvolve poderosos navios, um deles o RVA-818 X-LAY Starfighter, para lutar contra a máquina opressora.



(1°s inimigos do jogo, aonde você aprende a usar o Lock On Laser)

Gráficos: Os gráficos são top de linha para 1993. O jogo conta com sprites lindos e detalhados, abusando de toda a capacidade da placa Taito F3. Os cenários são magníficos, com vários detalhes e partes interativas. O jogo usa e abusa de efeitos de parallax, rotação, transparência, etc que fazem o Mode 7 do SNES parecer uma coisa ultrapassada, com efeitos "3D" que eu nunca imaginaria ver em um Shoot em Up (chupa Axelay). Com o lance do plano inferior (que eu explicarei no tópico Jogabilidade), muda completamente o campo de visão da parte debaixo da nave, inclusive nos sprites dos inimigos da parte inferior, que ganharam um efeito de profundidade bem legal, sendo que dá pra perceber se eles estão ou não longe de você. Os bosses são belíssimos, com um design que parece ter saído de um anime, com cores bem variadas, e sprites detalhadíssimos.


   (Maldito, mal posso ver seus movimentos !!!!!)

Som: O som do jogo é maravilhoso, com vozes muito bem feitas, efeitos sonoros de alta qualidade, fazendo os sons de outros shmup parecerem que foram feitos por estagiários. A OST do jogo é épicamente bem feita, com temas memoráveis como a música da Area 1 e 3 e o Boss Theme, mas infelizmente, como poucas pessoas desfrutaram desse jogo, não tem nada upado sobre a OST do jogo (nem do jogo em si), ou seja, só poderá ouvir essas músicas que eu citei se jogar.


 (A nave inimiga e o fantástico cenário da Area 2)

Jogabilidade: A jogabilidade do jogo é muito bem feita,  sendo bem rápida e dinâmica, como os bullet hell da época. A principal diferença entre RayForce dos outros shmup bullet hell é o chamado Lock On Laser, que serve para atacar os inimigos que estão no plano inferior (na parte de baixo, para os leigos) da fase, aonde você passa a mira por cima dos alvos e aperta o 2º botão para os lasers teleguiados aniquilarem os mesmos. Isso, além de servir como atrativo para o pessoal fascinado em fazer pontos, serve para dificultar ainda mais a vida de nós jogadores (como se não bastasse o jogo ser um bullet hell), pois se você não destruir alguns inimigos do plano inferior eles sobem para te atacar (aonde ficam mais fortes). Uma coisa que deve ser falada é a dificuldade do jogo, que em alguns momentos chega a ser frustrante de tão difícil que fica.



Nome do jogo: RayForce/Gunlock
Plataforma: Arcade, SEGA Saturn, PC, IOS
Gênero: Shoot em Up
Desenvolvedora: Taito
Distribuidora: Taito
Ano do Lançamento: 1993, 1995, 1997, 1999, 2011

Notas:

Gráficos: 10
Sons: 10
Jogabilidade: 10
Diversão: 10
NOTA FINAL: 10

Conclusão: Um clássico que ficou no anonimato, infelizmente, mas que está na memória de quem jogou (inclusive na minha, que darei umas jogadas de vez em quando). Os gráficos, sons, jogabilidade, TUDO é da melhor qualidade, mas porque esse jogo ficou tão obscuro ??? Eu tenho uma teoria: em 1993, os 16 bits já estavam dando lugar para os 32 bits, e sempre nessa evolução de uma geração para outra, ficam dezenas de clássicos que ficam na escuridão.

Prós
TUDO

Contra
...

Se você quiser de qualquer forma contribuir com o blog, ser um colaborador ou qualquer outra coisa sempre deixe um comentário. Comente sobre a análise e alguma história com a série/jogo (e dê muitos puxões de orelha se eu falei alguma besteira).

2 comentários:

Leandro" Leon Belmont" Alves the devil summoner disse...

já conferindo esse game de arcades aqui e feliz 2013 velho!

Angelo disse...

Hora de eu brilhar xD

Acho que a soundtrack est´nesse link, se não for, tem outro Rayforce.
Ótimo post pra começar o ano hein ^^

http://downloads.khinsider.com/game-soundtracks/album/rayforce-original-soundtrack

Parceiros