Plataformas

Outras Mídias

The Classics Games. Criado por Maxwel Gamer.. Tecnologia do Blogger.

Seguidores

18 de jul de 2012
(Crash Bandicoot Episódio 5: Dr. Cortex Contra Ataca)

Ps: Eu estou procurando autores de análises que querem participar do blog, os interessado entrem em contato comigo.


        (Corra, Crash, CORRAAA!!!!!!!!!!!!)


História: Quando Neo Cortex foi derrotado por Crash na última aventura, sendo arremessado para fora de seu dirigível, cai dentro de uma caverna escura e úmida em umas das ilhas N. Sanity, onde misteriosamente sobrevive á queda. Ao acender um fósforo, vê um róseo e gigantesco cristal, o que faz com que ele tenha uma ideia, mas não são revelados mais detalhes, pois o fogo se apaga.  Um ano depois, Cortex projeta uma estação espacial, onde passa a trabalhar com seu novo assistente, o cibórgue N. Gin. N. Gin diz a Cortex que, para que seu plano de ativar um novo e melhorado Vórtice de Cortex (a máquina utilizada para fazer lavagem cerebral nas criaturas, como visto no jogo anterior) funcione, são necessários mais 25 cristais. Ele também diz que será impossível recuperá-los, já que nenhum operante sobrou na Terra. Cortex então responde com a frase "Se não há nenhum amigo na superfície, então devemos achar... um inimigo". Enquanto isso, na Terra, Crash aproveita as férias de ano novo enquanto descansa ao lado da irmã caçula, Coco, que digita furiosamente em seu laptop. Repentinamente, a bateria do laptop acaba, e Coco manda Crash ir buscar uma nova. No caminho, Crash é abduzido por Cortex, que diz a Crash ter desistido do mal e que, em uma de suas pesquisas científicas, descobriu que uma força misteriosa está prestes a destruir o planeta e a única maneira de contê-la é coletando cristais espalhados pelas Ilhas N. Sanity. Ele também diz que o Dr. Nitrus Brio é o criador desta força e que fará de tudo para impedir que Crash pegue os cristais. Porém, em certo ponto da história, o Dr. Nitrus Brio aparece para Crash, que resolve se vingar de Cortex, dizendo para ele coletar os diamantes (gemas) ao invés dos cristais para que possa ativar um gigantesco canhão a laser para que possa destruir a estação espacial de Cortex. Mas para impedir Crash de coletar os cristais, ele cria o musculoso tigre-da-tasmânia Tiny Tiger... Porém Crash o Derrota. Quando Crash coleta todos os cristais, Coco finalmente consegue contar para ele as verdadeiras intenções de Cortex, Crash derrota N.Gin e batalha com Neo Cortex no lado de fora de sua estação espacial, derrotando-o. Então Crash, Coco e Nitrus Brio utilizam o poder das Gemas em um canhão lazer e destroem a Base de Corte.



   (Em algumas fases você andará encima do Polar)

Gráficos: Os gráficos do jogo são sensacionais, sendo um dos mais bonitos do console naquela época, com uma modelagem fantástica (para o console e a época) e cenários mais detalhados do que qualquer jogo de plataforma do PS1 lançado até aquele momento. Os cenários são muito bem trabalhados, com bastantes detalhes, polígonos e alguns elementos 2D. A modelagem dos personagens está bastante bem feita, com bastante detalhamentos (para a época) e movimentos. Os efeitos de água, gelo e lama são fantásticos, com bastante detalhes, como a água que reflete a imagem do Crash, um detalhe que muitas produtoras da época deixaram passar.


(Fases 2D e 3D em um só jogo, e ambas muito divertidas)

Som: O som do jogo é fantástico, com músicas sensacionais e vozes diferenciadas. As vozes do jogo são sensacionais, com dublagens e vozes exageradamente toscas, mas, que dão um clima diferenciado para o jogo. As músicas são sensacionais, retratam perfeitamente a fase, dando uma identidade própria para cada tipo de fase, e a quantidade de músicas do jogo é anormal para um jogo de 1997, com mais de 40 músicas. Os efeitos sonoros são sensacionais, sendo muito bem feitos e diferenciados (não tem nada mais marcante do que o som da TNT quando é ativada).


(Boa variedade de fases, indo de florestas até fases congeladas)

Jogabilidade: A jogabilidade é fantástica, com uma jogabilidade intuitiva e fácil. O jogo é um plataforma 3D, mas, é um 3D linear (você não tem um controle tão livre como em Super Mario 64, por exemplo), sendo só seguir em frente (e ir para os lados limitadamente) e terminar as fases. Nas fases bonus e em algumas partes delas, o jogo vira um jogo de plataforma 2D em side-scrolling, só que com você podendo (em alguns casos) ir para frente e para trás. Os bosses do jogo são fantásticos, sendo que cada um tem um tipo de ataque e estratégia totalmente diferenciada uma das outras. Em algumas fases ocorre uma perseguição, onde você joga a fase ao contrário (de trás para frente), onde você vai em direção á câmera (como na imagem do urso gigante aí em cima).




Nome do jogo: Crash Bandicoot 2: Cortex Strikes Back
Plataforma: PS1
Gênero: Ação/Aventura, Plataforma
Desenvolvedora: Naughty Dog
Distribuidora: Sony Computer Entertainment e Universal Interactive Studios
Ano do Lançamento: 1997

Notas:

Gráficos: 10
Sons: 10
Jogabilidade: 10
Diversão: 10
NOTA FINAL: 10

Conclusão: Crash Bandicoot 2: Cortex Stroikes Back é um dos maiores clássicos do PS1, que não ficou datado com o tempo (como a maioria dos jogos da época), sendo ainda bastante divertido de se jogar nos dias de hoje. Se você ainda não jogou esse jogo, não perca tempo, corra atrás desse clássico.

Prós
Gráficos soberbos
Som fantástico
Músicas sensacionais
Boa quantidade de personagens
Diálogos divertidos
Jogabilidade sensacional
Fases diferenciadas
Cenários detalhados
Boa modelagem de personagens
Mudanças de câmeras
Cores vivas

Contra
...

Se você quiser de qualquer forma contribuir com o blog, ser um colaborador ou qualquer outra coisa sempre deixe um comentário. Comente sobre a análise e alguma história com a série/jogo (e dê muitos puxões de orelha se eu falei alguma besteira).

3 comentários:

Kaique disse...

Crash é a minha série favorita de todas, muito boa análise Maxwel! É realmente incrível como os Crashs envelheceram bem, ainda hoje em dia eles têm um visual lindo.

Senny disse...

Eu não vou dizer que sua análise está ótimo nem ruim, mas tenha mais cuidado ao usar muitas vezes a mesma palavra, como fantástico e sensacional.

Eu li só duas análises suas e percebi alguns erros ,você usa muitas vezes a mesma palavra e repeti duas vezes uma mesma frase (tipo, a mesma informação).

Não estou dizendo que você é ruim, só estou criticando pra você melhorar. E tente zerar o jogo todo pra ver se suas análises ficam melhores. ^^

Leandro" Leon Belmont" Alves the devil summoner disse...

Crash...bons tempos quando eu andava para frente em visão em terceira pessoa, saltava em rodopio. as caixas de pêssegos(?) se quebrando aos golpes do Crash...infelizmente só zerei o primeiro e terceiro game. mas esse também era legal pacas.

Parceiros